Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Artigos

25/09/2013

Céu e Inferno

Céu e Inferno

Querido leitor, depois de alguns dias escondido, o sol apareceu. E ele me levou até a Praça do Congresso, que fica bem perto da nossa casa. Que bom andar despreocupadamente, ouvindo o som das crianças que correm de um brinquedo a outro, dos pássaros que cantam e encantam.

Praça também é local de encontrar pessoas e, neste sábado ensolarado, não deu outra: encontrei um amigo que não via há alguns anos.

Carinhosamente meu amigo me disse que estava alegre com o encontro, pois o desejava há meses, queria dizer algumas coisas para mim. Do seu jeito, disse-me ainda que estava muito preocupado comigo.

Parado a sua frente, fui todo seu ouvido. Meu amigo, sem meias palavras, disse que tinha lido alguns artigos e estava apreensivo e preocupado, principalmente quando refleti sobre a frase de Nietzsche de que “Deus está morto” e do bispo Desmond Tutu, que escreveu um livro intitulado “Deus não é cristão”.

“Beto, pra que mexer nisso?”, questionou-me. “Sabe, estou muito preocupado contigo, pois estás abrindo teu valo no inferno e, assim, vais entrar e ali passar a eternidade queimando, agonizando”, falou-me o preocupado amigo.

Em essência, foi isso o que ele me falou, embora discorresse uma ladainha de, pelo menos, 15 minutos, descansando somente para tomar fôlego e continuar falando. O esperei terminar e com o mesmo respeito e atenção, posicionei-me mais ou menos assim:

“Querido amigo, estou bem e tranquilo. Escrevo o que reflito, penso e medito e não tenho nenhum medo do que escrevo, pelo contrário”, disse-lhe, para seu espanto. “Para mim, o inferno dessa maneira como você vê e defende não existe, é pura invenção humana, afinal de contas, se nós, seres humanos, não desejamos que o mais forte dos adversários queime eternamente no fogo do inferno, quem dirá Deus desejaria isso a sequer um dos seus filhos. E se Deus condenar, então para mim ele não é Deus”, ponderei.

“Mas que inferno tu acreditas?”, perguntou-me o interessado amigo. Ao que respondi: “Assim como temos o lobo bom e o lobo mau dentro da gente, o céu e o inferno também convivem conosco, fazem parte desse todo que somos nós”. “Mas qual deles vamos vivenciar?”, perguntou o incrédulo amigo. E como o velho índio, também respondi: “O que eu alimentar”.

E você, acredita que Deus condenaria um de seus filhos a queimar eternamente? Lembrando que isso é assim para mim hoje.

Beto Colombo

Carregando sistema de comentários
Veja todos os artigos